Variante Ômicron adia retorno presencial em três universidades federais


Devido ao significativo aumento de casos de covid-19 provocado pela variante Ômicron, as universidades federais do Rio de Janeiro (UFRJ), de Santa Catarina (UFSC) e de Lavras (UFLA) modificaram seus calendários para o retorno das aulas presenciais.


A UFRJ, que já estava com agenda parcialmente presencial, estabeleceu, por decisão da reitoria, a volta do ensino remoto até o dia 31 deste mês. Em nota, a mineira UFLA, comunicou suspensão das aulas presenciais até o dia 29 deste mês, período em que irá analisar o cenário epidemiológico da cidade para basear suas decisões. Também em nota, a UFSC alegou uma “explosão de casos” para suspender atividades presenciais por tempo indeterminado. “Sempre agiremos respeitando a ciência e preservando vidas, é isso que estamos fazendo nesse momento”, explicou a reitoria.


A Universidade de Brasília (UnB) programou para o próximo dia 17 a retomada parcial de atividades, mas acompanha o cenário epidemiológico, podendo anunciar mudanças. Ontem (10), a Secretaria de Saúde do DF (SES-DF) notificou 2.775 infecções da doença. Casos diários podem triplicar em até 14 dias. Ainda assim, e mesmo com vacinação insuficiente no DF, especialmente de crianças entre 5 e 11 anos, o governador Ibaneis Rocha determinou o retorno das aulas presenciais.


A Associação Nacional de Dirigentes de Instituições Federais do Ensino Superior (Andifes) ainda não se posicionou. “Estamos debatendo e analisando os dados para elaborar diretrizes e recomendações no processo de retorno para que possamos publicar um documento”.