Semana de lutas contra a Reforma Administrativa e pela democracia nas IFES

Diante dos ataques do governo contra a autonomia das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), com a intervenção na nomeação de reitores; e aos serviços públicos, com a proposta da Reforma Administrativa, entidades sindicais, movimentos sociais, e comunidade acadêmica promoveram uma agenda de lutas nesta semana.


Na terça-feira (8), uma plenária nacional foi realizada na Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB) com a presença de todos os reitores eleitos e não nomeados por Jair Bolsonaro (Leia aqui).


Na quarta-feira (9), as intervenções do presidente Jair Bolsonaro na nomeação de reitores e a Reforma Administrativa foram debatidas em audiência pública no Congresso Nacional. A atividade foi organizada por diversas frentes parlamentares, com a presença de entidades em defesa do serviço público e da educação.


Para Ribamar Passos, da Instersindical Central da Classe Trabalhadora, "A eleição dos reitores nos mostra o que o governo quer fazer com o serviço público, porque a Reforma Administrativa não é senão o desmonte do Estado, uma forma do governo transformar o serviço público num cabide de emprego para seus apoiadores".


Durante a audiência, a democracia e autonomia das instituições federais de ensino foi apontada como ameaça ao projeto de poder bolsonarista. "Derrotar as universidades públicas é papel central desse governo porque sabe que as universidades neste país formam geradores de opiniões, acadêmicos e cientistas que podem enfrentar diretamente sua política", considerou Antônio Alves, da Fasubra Sindical .



Carreata chegou até o Congresso Nacional. Foto: ANDES/SN

Protesto


Reitores eleitos e não empossados protestaram, também na tarde de quarta, no Ministério da Educação. O ministro Milton Ribeiro não recebeu o grupo, que reivindicava uma reunião para tratar das intervenções nas Instituições Federais de Ensino Superior (IFES).


"A resposta do ministro é uma afronta, mais um gesto autoritário deste governo que despreza a ciência e as universidades", afirmou Luiz Araújo, diretor da Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB).


Além da ADUnB, participaram da manifestação representantes do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), parlamentares e entidades da sociedade civil.


A Frente de Articulação dos Reitores Eleitos e não Empossados esteve representada por Maurício Saldanha, eleito diretor geral do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ); Rodrigo Nogueira, eleito reitor na Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA); Telio Nobre, da Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF); Terezinha Domiciano, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB);

Anderson André Genro, eleito reitor na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS); José Arnóbio de Araújo, do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN); Maurício Gariba Júnior, da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS).


Carreata


Na manhã de quinta-feira (10), no Dia Nacional de Luta contra a reforma Administrativa, uma carreata saiu do Palácio do Buriti, sede do governo distrital, em direção ao Congresso Nacional.


Além dos atos presenciais que reuniram entidades sindicais, o ANDES-SN promoveu uma live com a participação de diversas entidades. Assista na íntegra:






Posts recentes

Ver tudo