O Que Não te Contaram Sobre a Reforma Administrativa - 7ª parte

Atualizado: Jul 27


A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020 que trata da Reforma Administrativa não afeta somente a carreira dos/as servidores/as públicos/as, mas também, e diretamente, a vida de todos cidadãos e cidadãs.


O Governo atual propõe o desmonte do serviço público, abrindo espaço para que novas privatizações venham acontecer em áreas essenciais, como saúde e educação, que estarão nas mãos de OS’s e empresas.



O resultado para os municípios é desastroso. Já com estrutura mínima de atenção à população, o que se apresenta num cenário futuro, caso a PEC 32/2020 seja aprovada, é o pouco ou nenhum compromisso assumido pelas prefeituras ou estados, já que não serão responsáveis por manter a qualidade dos serviços essenciais, hoje realizados pelos servidores públicos.


O discurso apresentado pelo atual Governo Federal em “prol da economia”, ou ainda a promessa de que “todos os problemas estariam resolvidos” caso a Reforma Administrativa aconteça, é o mesmo feito para aprovação da EC 95/2016, que congelou orçamentos para os serviços públicos por 20 anos. O resultado desta aprovação foi o aprofundamento dos problemas, a partir do momento em que não se pode ampliar ou melhorar a saúde e a educação públicas e a infraestrutura para garantir melhores condições de vida nas cidades. Com a PEC 32/2020, as desigualdades tendem a aumentar e reforçar essa política.


O grito de “Não à PEC 32/2020” é pela melhoria da qualidade de vida da população brasileira.


Diretoria da ADUnB