O Que Não te Contaram Sobre a Reforma Administrativa - 3ª parte


RA significa Privatização dos Serviços Públicos


A Reforma Administrativa (PEC 32) proposta pelo governo atribui a necessidade de redução de gastos, no intuito de desresponsabilizar o Estado e passar ao setor privado e ao terceiro setor essa responsabilidade, muitas vezes dependente de verba pública. Por meio dessa prática, a opinião pública é conduzida à falsa ideia de necessária privatização dos serviços e atendimento à população, justificadas, como no passado, no combate a privilégios e à corrupção.


Se o sucateamento do Estado fragiliza e enfraquece a capacidade dos serviços e servidores públicos de darem andamento e continuidade às políticas públicas, o que dizer da criação de novas?


As propostas contidas no texto da Reforma Administrativa apontam, entre outros, o fim da estabilidade do servidor público, a redução dos quadros técnicos, a redução ou fim dos concursos públicos e a contratação por indicação. Elementos que mostram claramente que o intuito dessa PEC 32 é exatamente escancarar o retorno dos privilégios, apadrinhamentos políticos e dos esquemas de corrupção.


A destruição do Estado brasileiro e o avanço das privatizações atentam também contra a segurança e a soberania nacional. A entrega de importantes setores (energético, alimentar, saúde, educação, entre outros) ao capital privado, aos interesses de grupos econômicos, nos quais o combate a privilégios e à corrupção é nebuloso, condena o futuro da nossa sociedade, retirando a capacidade que temos de construir coletivamente o futuro que desejamos.


Diga não à PEC 32. Diga Não ao Desmonte do Estado. Diretoria da ADUnB