Nota da Diretoria - Urna eletrônica: nós confiamos


O Brasil adotou as urnas eletrônicas nas eleições municipais de 1996. Desde então, e com os aprimoramentos desenvolvidos ao longo do tempo, são consideradas um dos sistemas de automatização de votação mais seguros do mundo.


Os sistemas de proteção, criptografia, rastreabilidade e integridade das urnas eletrônicas impedem a intervenção humana para qualquer tipo de fraude, como havia aos montes nos tempos da votação e da apuração do voto impresso em papel.


O equipamento não é conectado à internet, somente ao sistema da Justiça Eleitoral, único operador das urnas, compostas por 15 sistemas com 15 milhões de linhas de programação. À menor tentativa de adulteração, as urnas têm seu funcionamento paralisado imediatamente.


Antes das eleições, o TSE realiza, de forma pública, testes com técnicos sem relação com o Tribunal, que fazem 200 mil tentativas por segundo de quebra do sistema de segurança da urna. Até hoje, nenhuma dessas milhões de tentativas conseguiu adulterar o sistema, muito menos promover fraude.


Nós, da diretoria da ADUnB-S.Sind., seus associados e associadas, confiamos no TSE e apoiamos a comprovada segurança do voto eletrônico, o mesmo que elegeu certos candidatos que, movidos por propósitos realmente dignos de desconfiança, agora querem desacreditá-lo.