Elis não se esquece!


Em 19 de janeiro de 1982, aos 36 anos, calou-se uma das principais e mais belas vozes da música brasileira de todos os tempos, e também da insubordinação do povo à ditadura militar, Elis Regina.


A mulher, artista e ativista política, junto a outros artistas, fez de seu talento também um instrumento de luta contra o regime, que tratava a arte como inimiga pública.


Sem surpresa, passados 40 anos de sua morte, as canções consagradas pela eterna Pimentinha, que foi referência na luta pela anistia, pela redemocratização do Brasil e na luta feminista, continuam atuais, cantadas em memória daqueles que foram perdidos, dos que resistiram e, sobretudo, dos que continuam levantando a voz contra governos autoritários.