CLDF não votará proposta de redução de orçamento da FAP em 2019


O presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal, Rafael Prudente (MDB), em reunião com representantes da comunidade acadêmica e científica do DF nesta segunda (11), informou que o Projeto de Emenda à Lei Orgânica, nº 18/2019 não será mais votado em 2019. A proposta do Governo do Distrito Federal pretendia reduzir de 2% para 0,3% o montante de recursos do orçamento distrital destinados à Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF) que atende as demandas de educação, ciência e pesquisa na região.


A retirada de pauta da PELO 18/2019 foi informada aos representantes da comunidade acadêmica e científica do DF que estiveram em reunião com o presidente da casa. De acordo com o parlamentar, será criado um Grupo de Trabalho da Câmara no qual serão convidados representantes do setor para estudar e fazer um diagnóstico da situação da Fundação e das demandas de pesquisa. Neste ano, como acontece sempre, será votado pelos parlamentares apenas o destino da verba que não foi utilizada pela entidade.


Presente na reunião, o professor Claudio Lorenzo, diretor da ADUnB, comemora a vitória, segundo ele, fruto da mobilização da comunidade. "A mobilização foi efetiva para garantir a suspensão da proposta. Essa comissão de professores e mobilizadores foi recebida pelo presidente, que nos garantiu empenho inclusive para nos chamar para participar para uma discussão sobre previsão orçamentária de pesquisa para o DF, dentre outros".


A ADUnB tem atuado junto a outras entidades da comunidade acadêmica e da ciência para barrar a PELO 18/2019. Além de enviar carta ao Governador Ibaneis Rocha, foi publicado o abaixo assinado "Em defesa da Ciência, Tecnologia e Pesquisa do DF, não ao corte na FAP!" que já coletou mais de mil assinaturas em defesa da pesquisa no DF. O objetivo é defender o orçamento da entidade e propor o aprimoramento da FAP para que a sua gestão administrativa consiga atender às demandas da comunidade.


A reunião contou com a presença de professores da Universidade de Brasília (UnB), da Associação dos Docentes da UnB, do novo Diretório Central de Estudantes da UnB e da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).


Até a data de hoje, haviam se manifestado contra a aprovação da proposta os (as) deputados (as) Fábio Felix (PSOL), Arlete Sampaio (PT), Chico Vigilante (PT), Leandro Grass (Rede), Deputado Prof. Reginaldo Veras (PDT e Julia Lucy (Novo).

Links Úteis