conteúdo da página Assembleia Geral referenda participação na greve geral da Educação do dia 13 de agosto

Assembleia Geral referenda participação na greve geral da Educação do dia 13 de agosto

Atualizado: 22 de Ago de 2019


Docentes também aprovaram uma “agenda de estado de greve”, rejeição ao Future-se e convite ao jornalista Glenn Greenwald




A Assembleia Geral Docente aprovou a participação dos professores e das professoras da UnB da paralisação de amanhã (13) em Defesa da Educação Pública e contra a Reforma da Previdência. Como efeito da mobilização e adesão à greve geral, as aulas e demais atividades acadêmicas também serão suspensas. Os participantes e as participantes da assembleia também deliberaram pela indicação da contrariedade da categoria em relação ao “Programa Institutos e Universidades Empreendedoras e Inovadoras – Future-se.”



A demonstração da rejeição da comunidade docente ao projeto do governo deverá acompanhar a construção de análises críticas sobre o Future-se, com o objetivo de informar a sociedade, fornecendo elementos que denunciem a gravidade dessa proposta. Para viabilizar esse trabalho, a assembleia também aprovou a criação de um grupo de trabalho para debater o Future-se, realizando a verificação dos relatórios jurídicos e demais documentos já produzidos sobre o projeto, além de análise conjuntural. Três docentes já foram indicados para o GT, que também pode contar com a participação de servidores técnico-administrativos e estudantes. A composição final do grupo será tema de debate na plenária, que reunirá representantes dos três segmentos na próxima quinta-feira (15), às 12h, no auditório do SINTFUB.



A assembleia discutiu, ainda, o indicativo de uma Greve Geral da Educação, assunto que foi tema de pauta do CONAD, em julho. Diversas falas indicaram que há um consenso de que a mobilização precisa, antes, ser amplamente debatida e construída em todas as instâncias da comunidade acadêmica. Nesse sentido, a categoria deliberou pela aprovação de uma “Agenda de estado de greve.” A “agenda” foi definida como a realização de reuniões sistemáticas do Conselho de Representantes, de atividades alternativas, de discussões nas unidades acadêmicas, de debates no âmbito da comunidade universitária e do fortalecimento e aprimoramento da comunicação entre diversos setores da sociedade civil.




A assembleia também aprovou a realização de debate, na ADUnB, com a presença do jornalista Glen Greenwald, fundador do portal The Intercept. O jornalista foi aclamado pelos participantes da reunião como um defensor da democracia e do Estado democrático de Direito.



ANÁLISE DE CONJUNTURA




Representantes do ANDES-SN, da CUT-DF e do CNTE participaram da Assembleia e apresentaram análises conjunturais. Madalena Borges, diretora do Sindicato Nacional da Educação, da coordenadoria de Ciência e Tecnologia, apontou inconsistências jurídicas no Future-se, entre elas, o regime jurídico das organizações sociais. Segundo a diretora do ANDES, a lei permite que uma OS, por exemplo, entre em processo de falência. Com isso, professores que (hipoteticamente) trabalhem em instituição que faça a adesão ao projeto podem não receber nada. “O Future-se compõe-se de 18 páginas de afronta. A redução de investimentos na Educação vem se agravando, e, agora, chegamos ao ponto de o Estado tentar se desobrigar de financiar a Educação. É uma proposta perversa.”




Aroldo Fernandes, da assessoria jurídica da CNTE, também ressaltou as ininterruptas ameaças ao Ensino Público. “Existe em marcha um projeto de ataque à Educação. Se olharmos atentamente, ele tem um contínuo, começou em 2016, primeiro contra a Educação Básica e hoje tem desdobramentos na Educação Superior.”




O secretário-geral da CUT-DF, Rodrigo Rodrigues, conclamou a comunidade acadêmica da UnB para o ato de amanhã (13). Segundo Rodrigues, a greve não tem como mote apenas a defesa da Educação. A paralisação representa um grito geral, um apelo da sociedade em defesa de direitos sociais. “Temos uma disputa da sociedade que está posta há muito tempo, é um golpe contínuo. O impeachment abriu caminhos para a extirpação de uma série de direitos da classe trabalhadora. A reforma da previdência é interesse do mercado, da classe empresarial”, afirmou.

Links Úteis