ADUnB contratará estudo sobre assistência à saúde e visita UFMS para conhecer assistência autogerida

O sindicato segue trabalhando para oferecer opções de assistência de saúde de qualidade, mais justas e acessíveis à categoria.

Imagem: z_wei/iStock

A ADUnB participou, na última semana, de uma reunião na Universidade de Mato Grosso do Sul (UFMS) para conhecer o programa de assistência a saúde autogerido pela Universidade. Devido aos constantes aumentos dos planos de saúde, o sindicato tem atuado para oferecer opções de assistência à saúde aos servidores. Além de participar da Comissão de Estudo sobre a Assistência à Saúde de Docentes e Técnicos Administrativos da Reitoria da UnB, o sindicato está estudando outras formas de assistência à saúde aos servidores, tendo aprovado a contratação de relatório técnico especializado sobre o tema.

Para o representante da ADUnB na reunião em Mato Grosso do Sul, o professor e secretário geral da ADUnB Cláudio Lorenzo, a autogestão é uma solução inteligente, com ampla cobertura e bastante acessível, por um custo muito mais baixo que os planos de saúde. Entretanto, segundo ele, "para sua aplicação em nosso contexto serão necessários ainda estudos mais profundos dadas as especificidades financeiras e orçamentárias da Universidade de Brasília”.


Na reunião, articulada pela Comissão, participaram a pró-reitora de Gestão de Pessoas e a diretoria de assistência à saúde da UFMS. Foram apresentados o histórico do programa de assistência à saúde autogerido pela Universidade e todo o arcabouço regimental e administrativo, bem como as coberturas oferecidas e os custos à comunidade.


Contratação de estudo


A ADUnB aprovou a contratação de um estudo para preparação de um relatório técnico sobre as formas de ofertar assistência à saúde aos docentes por todas as Universidades Federais do País. O objetivo é identificar os melhores modelos e realizar, entre maio e abril do próximo ano, um evento trazendo representantes dos programas modelo de assistência de saúde para apresentação e discussão com a comunidade.


“A ADUnB reafirma seu compromisso na defesa do SUS, enquanto um patrimônio da população brasileira, e reconhece que seu amplo financiamento seria a melhor solução para uma atenção à saúde igualitária e justa para todos. Não obstante, diante da política de desmonte do SUS pelo atual governo brasileiro, potencializado ainda mais no DF pela atual gestão distrital, a busca por opções tem sido uma reivindicação legítima da categoria, pela qual só cabe trabalhar com afinco para atendê-la da melhor forma possível”, destacou o professor.


Impacto das despesas com plano de saúde


Ano passado, o Grupo de Trabalho formado pela ADUnB e sindicatos que representam funcionários da UnB entregou à reitoria um estudo que detalha o impacto das despesas com plano de saúde na remuneração dos trabalhadores da universidade.


Há época, o GT apontou no relatório que 4,1 mil servidores, técnicos administrativos e docentes têm vínculos com planos de saúde conveniados com a universidade e 581 pagam planos de forma independente.


O estudo demonstrava que a evolução do custo dos planos privados é maior do que a atualização salarial. Assim, em 5 anos o trabalhador gastará 20% do salário para pagar a despesa, em 10 anos o plano consumirá 40% dos rendimentos e em 16 anos o valor do plano superará o montante do salário.


A partir da situação diagnosticada o grupo propôs que a administração da FUB iniciasse um estudo de viabilidade tendo como orientação ações de outras universidades federais que usam modelo de autogestão baseado em criação de fundos ou contrato empresarial com planos.

Posts recentes

Ver tudo

Links Úteis

Assessoria de Comunicação

De 9h às 18h, de segunda à sexta-feira.

acs@adunb.org.br

(61) 98280 0418